segunda-feira, 22 de maio de 2017

Wilson Santiago nega relação com donos da JBS e relata doação legal de R$500 mil

O presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) na Paraíba, ex-deputado e ex-senador Wilson Santiago, explicou neste domingo (21) através de nota à imprensa que os R$ 500 mil recebidos da JBS  para as eleições de 2014 foram através doação legal de campanha. Santiago ainda salientou não ter nenhuma ligação com os donos da empresa, Joesley e Wesley Batista.

Leia:

"Nota de esclarecimento

 O presidente do PTB da Paraíba, Wilson Santiago, informou que recebeu doação oficial da direção nacional da legenda no valor de R$ 500 mil, oriundo da empresa JBS. O montante foi para a campanha eleitoral de 2014.
Wilson Santiago, destaca que não tem nenhuma relação com os donos da empresa JBS.
O dirigente afirma ainda que a doação foi feita de maneira legal, oficial e que todo o montante repassado consta na sua prestação de contas, que já foi aprovada pela Justiça Eleitoral."

Genival e Gervásio são recebidos com festa em Assunção, Taperoá e Juazeirinho, em eventos neste fim de semana que consolida dobradinha GM's para 2018

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre
Uma grande festa foi preparada para recepcionar os deputados Genival Matias e Gervásio Maia neste domingo (21), na cidade de Assunção. A dobradinha GM's para às eleições de 2018 foi aprovada por correligionários e aliados da oposição local, capitaneados pelo ex-prefeito Antônio Martiniano. 
A parceria entre Genival Matias, que disputará à reeleição para mais um mandato na Assembleia Legislativa, e Gervásio Maia, atual presidente da Assembleia, que disputará um mandato de deputado federal, nas eleições vindoura, vem sendo construída com solidez consolidando à cada dia. Em Assunção, vereadores, suplentes e lideranças, além do povo, fizeram questão de abraçá-los. Estiveram presentes lideranças como Márcio de Zélia, Ivonaldo Amaro e Fi de Vicente. 
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas em pé, atividades ao ar livre e área interna A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas em pé e atividades ao ar livre
 A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sentadas e pessoas em pé
Os deputados GM's também estiveram na cidade de Juazeirinho onde recebem o apoio do bloco da situação, dos vereadores presidentes das câmaras municipais de Juazeirinho e Junco: Cícero e Bastinho, que respectivamente, participaram do evento. Genival e Gervásio foram também até a cidade de Taperoá, onde foram recepcionados pelo ex-prefeito Deoclécio Moura, pelo vereador Jaé e o Padre Luciano, além de diversas lideranças locais, para construir uma aliança firme e forte pelo bem da região.
A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sentadas A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sentadas, tabela e área interna

Clubes e ligas querem saber pra onde foi mais de R$ 2 milhões e cobram na justiça prestação de contas da FPF, que pode sofrer intervenção.

Num momento em que o Brasil vive tempos conturbados com a iminente queda do presidente, o segundo em menos de um ano, diante da corrupção desenfreada... um escândalo agita os bastidores do futebol na Paraíba. Insatisfeitos com a forma do presidente Amadeu Rodrigues comandar a Federação Paraibana de Futebol, clubes profissionais/amadores  e ligas desportivas que formam a entidade impetraram com ação na justiça diante de possíveis irregularidades na prestação de contas da federação referente aos exercícios de 2015 e 2016. Querem saber onde foi parar montante superior à R$ 2 milhões, somente no ano de 2015, repassados pela CBF e outras receitas.
Por conta disso, a FPF pode vir a sofre intervenção da justiça comum ou até mesmo da própria CBF, que não vê com bons olhos essa situação. Em dezembro do ano passado, quase 50 clubes e ligas filiados solicitaram em petição à federação convocação por edital, com urgência, da assembleia geral, para que a presidência prestasse contas do exercício de 2015, sob pena de ser acionada civil, criminal e administrativamente. Sem resposta até hoje, impetraram ação judicial contra Amadeu na 13ª Vara Cível da Capital. Até hoje, Amadeu fez vista grossa à representação, dizem clubes e ligas. Segundo eles, a prestação de contas deve ser aprovada pelo conselho fiscal da entidade, conselho independente e pela maioria dos associados, em assembleia geral. O que não acontece desde 2015.
A relação com os clubes e ligas estremeceu quando Amadeu convocou assembleia, no final de 2015, com intuito de modificar os estatutos da entidade, mas teve grande surpresa ao ver a proposta rejeitada pelos associados. A ideia era limitar o poder de voto dos clubes amadores e ligas, em torno de 60 votos, que passariam a ter direito a apenas um voto, concentrando o poder na presidência. Segundo informações, o presidente pretende convocar uma assembleia geral, nos próximos meses, para tentar conseguir o feito e, ato contínuo, propor a antecipação das eleições marcada para dezembro de 2018. E com isso garantir mais quatro anos no comando da FPF.
A limitação do poder dos clubes e ligas teria como pano de fundo neutralizar a influência exercida nos mesmos pela ex-presidente da entidade, Rosilene Gomes, e o atual vice-presidente, Nosman Barreiro Paulo. Justamente a dupla que foi fundamental para a eleição de Amadeu em dezembro de 2014, que parecia perdida. Na ocasião, o eleitorado que sempre aclamou Rosilene estava dividido por não aceitar Amadeu que concorria contra um candidato com sobrenome de peso: Coriolano Coutinho, irmão do governador Ricardo Coutinho, que tinha como candidato a vice Ariano Wanderley, então ex-dirigente do Botafogo. Estimado pelos clubes e ligas do interior, Nosman concorria como terceira via e disputava em igualdade com Amadeu. o que favorecia Coriolano.
Imagem relacionada Resultado de imagem para amadeu rodrigues
Foto: Eleição de Amadeu Rodrigues na FPF só foi possível com aliança entre Rosilene Gomes e Nosman Barreiro
Querida por clubes e ligas, Rosilene estava diante da possibilidade de uma derrota do seu candidato, então, foi buscar numa aliança com Nosman a carta na manga para garantir a vitória. A união de Rosilene e Nosman resultou na eleição de Amadeu por 37 votos contra 29 obtidos por Coriolano. "É inegável a ajuda dela (Rosilene) para minha vitória", reconheceu à época Amadeu. Porém, pouco tempo depois das eleições, Rosilene se afastou de Amadeu diante de desentendimentos surgidos entre ambos. "Me esforcei muito pela vitória dele (Amadeu) e tive o grande apoio do estimado amigo Nosman, entretanto, traiu os clubes e ligas que votaram nele devido a confiança no trabalho que sempre tive pelo fortalecimento deles", disse a ex-dirigente da entidade.
Quatro meses depois foi a vez de Nosman se distanciar de Amadeu por não concordar com a forma de administrar sem a participação dos clubes e ligas. "Os associados não aceitam a maneira ditatorial como (Amadeu) vem se conduzindo no comando da federação. Além de não fazer prestação de contas, ele tem tentado à todo custo tirar o direito de voto dos clubes amadores e ligas. Isso não vamos aceitar", disse Nosman neste domingo (21).
Na ação judicial é esclarecido que Amadeu "vem se omitindo de disponibilizar as informações quanto à prestação de contas do exercício de 2015". Vale lembrar, que ele enviou memorandos à CBF sobre exercícios de 2015 e 2016, mas a lei e os estatutos estabelecem que a prestação de contas devem ser feitas à assembleia geral. A ação pede os extratos bancários dos últimos dois anos de todas as contas da federação. De acordo com dados, no ano passado a CBF aumentou em 67% a ajuda de custo para os cartolas. Na Paraíba, passou de R$ 15 mil para R$ 25 mil o valor que Amadeu ganha por mês como presidente da FPF. Hoje estaria em mais de R$ 30 mil esse valor, segundo informações. E a receita total que em 2015 teria sido pouco mais de R$ 2 milhões, hoje estaria bem acima desse montante.

domingo, 21 de maio de 2017

Após sete horas de debate, OAB decide por 25 X 1 pedir impeachment de Temer

Resultado de imagem para oab decide pelo impeachment de temer
Depois de mais de sete horas de reunião, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil decidiu, na noite deste sábado (20), aprovar o relatório que recomenda que a entidade ingresse com um pedido de impeachment contra o presidente Michel Temer, por 25 votos a 1. Cada voto representa a OAB de um estado ou do Distrito Federal. O Acre, ausente, não votou, e o Amapá votou contra o pedido de impeachment. Todos as outras unidades da federação votaram a favor do pedido.
Ex-presidente nacional da OAB, Cézar Britto defendeu a "consulta ao povo" como saída para a crise. Argumentou ainda que a análise do caso tem de ir além da perícia dos áudios e considerar o contexto. Ressaltou o fato de que até agora não foi desmentido que os que cometeram ilícitos agiram em nome do presidente. Britto também declarou que "é preciso reagir à delação premiadíssima", e que o MP não pode devolver apenas parte do patrimônio desviado. Ainda nessa linha, ele argumentou que, nesta delação premiadíssima, devolve-se metade do que foi roubado e legaliza-se o resto.
Henri Clay Andrade, presidente da OAB-SE, declarou que é preciso "bater forte" na "farra da delação premiada". E que o "prêmio" dado à JBS é um escândalo de grandes proporções. E que não vai haver estabilidade política se for eleito um presidente no conchavo de deputados e senadores.

sábado, 20 de maio de 2017

Aguinaldo participa de feijoada que Temer ofereceu a aliados após pronunciamento

Após fazer um novo pronunciamento, o presidente Michel Temer ofereceu, na tarde deste sábado (20), uma feijoada a políticos aliados, no Palácio da Alvorada.
Passaram por lá, entre outros, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), os ministros Mendonça Filho (DEM, Educação) e Antonio Imbassahy (PSDB, Secretaria de Governo), o líder do governo na Câmara, paraibano Aguinaldo Ribeiro (PP-PI), e o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).
No pronunciamento que fez mais cedo, Temer se defendeu das acusações dos delatores da JBS e voltou a afirmar que não deixará a Presidência. "Digo com toda segurança: o Brasil não sairá dos trilhos. Eu continuarei à frente do governo".

Itaporaguense, cabo do Exército Brasileiro diz estar feliz pela missão no Haiti que após 13 anos comandada pelo Brasil se aproxima do fim

A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindoA imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, atividades ao ar livre
Explodia a violência em Porto Príncipe, em 2004, quando o Brasil assumiu o comando militar da missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah). O país caribenho vivia em guerra civil, com gangues armadas, depois da renúncia do presidente Jean Bertrand Aristide. Passados 13 anos, a operação tem data para acabar: até 15 de outubro deste ano, todos os militares do Brasil e dos outros 15 países que compõem a missão deixarão o Haiti.
E um itaporanguense faz parte dessa história: o jovem cabo do Exército Brasileiro, Cassiano Pereira (na foto recebendo o carinho de garotos haitianos, tendo os colegas de farda logo atrás). Único Itaporanguense a ter participado dessa missão, Cassiano disse em contato com o Blog do Ricardo Pereira neste sábado (20) estar muito feliz: "Estou muito feliz por representar nossa terra!". Ele é lotado no 15º Batalhão de Infantaria Motorizado [15º BIMtz], sediado em João Pessoa.
Em todo esse período, além da miséria extrema, a operação ganhou novos contornos e perfil principalmente depois do terremoto de 2010, que deixou 220 mil mortos. A par do desgaste de mais de uma década, militares passaram a ter papel social e humanitário, ajudando na reconstrução do país.
Até outubro, terão passado pela missão aproximadamente 37 mil militares dos 15 países, incluindo o último contingente de 950 profissionais. Foram 30.359 integrantes do Exército, 6.299 da Marinha e 350 da Aeronáutica. O Ministério da Defesa considera que os maiores desafios enfrentados pela tropa brasileira na Minustah foram a pacificação da comunidade de Cité Soleil, a atuação durante o terremoto em 2010 e a ação decorrente do Furacão Matthew.
“O comando militar da operação por parte do Brasil, por decisão da ONU [Organização das Nações Unidas], representa grande prestígio e experiência para o país, além de ser uma representação de projeção de poder muito importante”, analisa o professor de relações internacionais Antonio Jorge Ramalho, da Universidade de Brasília (UnB). Para ele, após tantos anos de operação, as forças policiais no Haiti precisam ter condições de manter a segurança de forma autônoma.
Imagem relacionadaResultado de imagem para missão de paz no haiti brasil
Reconhecimento - Pesquisador de segurança internacional, Ramalho dirigiu o Centro de Estudos Brasileiros no Haiti entre 2006 e 2008. “Depois do período mais crítico, nos primeiros anos de operação, os haitianos passaram a observar militares de capacetes azuis em ações também de reconstrução em nível de excelência. Foi a primeira vez na história que os haitianos viram militares construindo algo”, afirma. Obras de engenharia tocadas por militares passaram a fazer parte da rotina em um espaço que antes era ocupado pela violência.
Procurado pela Agência Brasil, o Ministério da Defesa afirmou que a participação dos militares brasileiros passou a ser reconhecida pelo povo haitiano e por autoridades internacionais pela “desenvoltura com que combinam funções militares, como o patrulhamento, com atividades sociais e de cunho humanitário”. No ano passado, após a passagem do furacão Matthew, que causou cerca de 900 mortes, as tropas brasileiras também tiveram funções de reconstrução de estradas e pontes para a chegada de ajuda humanitária.
Para Ramalho, a participação dos brasileiros na operação colaborou para aperfeiçoar os sistemas de comando e controle, bem como para acionar recursos junto aos poderes Executivo e Legislativo. “Incluindo recursos materiais e humanos. Na formação de militares para operações reais, por exemplo, foi necessário cuidar de forma especial das regras de participação e engajamento”, afirma Ramalho. Ele testemunhou que os brasileiros passaram a ser vistos como "parceiros" e admirados.

Custos - Ao mesmo tempo, a operação, ao longo de 13 anos, também sofreu resistências de comunidades em um Haiti que passou a enxergar a Minustah como uma tropa de ocupação. “Em tanto tempo, sempre há desgastes naturais”, diz o professor. No Brasil, a participação na missão também foi questionada, em função dos gastos. De 2004 até o final do ano passado, os investimentos do Brasil com a Minustah chegaram a cerca de R$ 2,5 bilhões, segundo dados disponíveis no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI). 
O Ministério da Defesa reconhece um aumento “significativo” dos gastos após o terremoto de 2010. Foram reembolsados pela ONU, até agora, cerca de R$ 431,3 milhões. Há aproximadamente mais R$ 500 milhões pendentes. Os valores devolvidos cobrem os gastos com o emprego da tropa na missão de paz.

Futuro - O fim das operações está programado para acontecer até 1º de setembro e 90% do efetivo deve deixar o Haiti até o dia 15 do mesmo mês. Depois, por um mês, os 10% do efetivo restantes cuidarão do envio dos materiais e sairão do país. O Ministério da Defesa aguarda um convite para integrar outra missão de paz, caso o Congresso Nacional autorize.
O Brasil já participou de mais de 33 missões das Nações Unidas e enviou mais de 50 mil militares no exterior. “Atualmente, além do Haiti,o Brasil também possui integrantes nas missões de paz no Líbano, Chipre, Costa do Marfim, Libéria, República Centro-Africana, Saara Ocidental, Sudão e Sudão do Sul. Os militares atuam principalmente como integrantes em Estado Maior e como observadores em áreas pacificadas", informa o Ministério da Defesa. (Com Agência Brasil)

Após pedido da PGE, STF suspende descontos do Fundeb destinados à Paraíba

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu liminar para determinar a suspensão do ajuste de contas dos valores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) repassados ao Estado da Paraíba. Na decisão tomada na Ação Cível Originária (ACO) 3005, o ministro salientou a necessidade de assegurar ao Estado o exercício do contraditório e da ampla defesa antes de qualquer dedução a ser feita pela União, e entendeu que o desconto, em parcela única, no valor de R$ 35,1 milhões, evidencia risco para a manutenção dos serviços de educação na Paraíba.
Na ação, o Governo da Paraíba, por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE), sustentou ter recebido, no exercício de 2016, segundo estimativa de receitas realizada em 2015, recursos da União a título de complementação para o Fundeb. Entretanto, com a publicação da Portaria do Ministério da Educação e Cultura (MEC) 565/2017, que apurou a existência de saldo de R$ 35,1 milhões referente à diferença entre a receita utilizada para o cálculo da complementação e a receita efetivamente realizada, a União determinou o desconto desse valor nos repasses a serem efetuados em 2017.
A PGE argumentou que o desconto causaria prejuízos no sistema de educação. Afirmou que, embora o ajuste de contas seja autorizado pela Lei 11.494/2007, seria ilegítima a exigência da diferença sem a garantia de contraditório e ampla defesa. Destacou, ainda, que os valores repassados ao Estado foram aplicados nas finalidades legais, especialmente na remuneração dos professores estaduais, tratando-se de pagamento que não admite repetição.
O procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro, indicou que, além de ser evidente perigo de dano à manutenção dos serviços de educação da Paraíba, o objetivo do Fundeb é justamente o de assegurar a manutenção e o aprimoramento do sistema público de educação básica. Ele lembrou também que a existência de um mecanismo constitucional de financiamento dos serviços de educação orienta que a legislação infraconstitucional seja interpretada de modo a permitir a execução e manutenção dos serviços públicos pelos estados e municípios.
“Uma decisão importante. O STF tem sido o guardião da Constituição Federal e da preservação do Pacto Federativo. A União, através de uma portaria, cortou recursos do Fundeb sem permitir aos estados e municípios sequer se defenderem. O Supremo restabeleceu a legalidade e determinou à União recompor os recursos repassados a Estado e Municípios paraibanos. A PGE atuou não apenas em defesa do Estado, mas também dos municípios paraibanos”, afirmou Gilberto Carneiro.
Assim, a liminar foi deferida para determinar à União que se abstenha de deduzir, com relação ao Estado da Paraíba, o montante decorrente do ajuste previsto na Portaria MEC 565/2017, no valor de R$ 35.187.561,03.

Prefeitura de Santana dos Garrotes desenvolve trabalho de recuperação, manutenção e ampliação da frota municipal

 
A Prefeitura Municipal de Santana dos Garrotes através das Secretarias de Saúde e Transporte está desenvolvendo um trabalho efetivo de recuperação, manutenção e ampliação da frota do município. "Com muito trabalho e dedicação estamos conseguindo recuperar a frota e colocar esses veículos à disposição dos órgãos da secretaria para atender a população”, afirma Zebinha, da pasta de Transporte.
De acordo com o prefeito José Paulo Filho (PSB), está sendo recuperada a ambulância, que foi doada pelo governo do Estado, que logo será entregue para a população e com muito esforço renovando a frota do município, comentou o gestor. Além da recuperação da ambulância, o município está buscando ampliar o número de veículos para a área da Saúde. "Dois veículos novos estão para chegar e minimizar o problema de transporte para os usuário e profissionais da saúde", disse o secretário Rênio Macedo.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Detran-PB anuncia mudanças no processo de carteiras de habilitação

A partir do dia 1º de junho, os Centros de Formação de Condutores (CFCs) da Paraíba serão os responsáveis pela abertura do processo de carteiras de habilitação (CNHs) dos candidatos que frequentam as autoescolas. A mudança será implantada pelo Detran-PB, com o objetivo de desburocratizar e agilizar o processo, diminuindo a demanda na sede, Ciretrans e postos da autarquia.
O anúncio foi feito pelo superintendente do Detran-PB, Agamenon Vieira, hoje (19), em reunião com representantes de 50 autoescolas do Estado, convocada pelo Sindicato das Empresas de CFC da Paraíba. Durante o encontro, na sede da Federação do Comércio, ele explicou que essas empresas serão responsáveis pelo cadastro do aluno, pela emissão do formulário do Renach (Registro Nacional de Carteira de Habilitação) e pela marcação do Exame Psicotécnico.
O superintendente destacou o diálogo e o estreitamento da relação de confiança com as autoescolas ao longo do último ano, enfatizando que a ação acabará com as filas no setor de atendimento, evitando constrangimentos e atrasos aos candidatos. Outra medida para desburocratizar será a implantação, em breve, das provas teóricas via on-line, estendida a todos os postos e ciretrans do Estado, para atendimento aos candidatos da região. Em Guarabira terá início no dia 1º.
Telemetria - Por último, o superintendente também anunciou a implantação do sistema de Telemetria (monitoramento das aulas teóricas de dentro dos veículos das autoescolas), para acompanhamento pelo Detran-PB. Segundo a Portaria nº 93, de 18 de maio de 2017, “os CFCs deverão instalar, até o dia 01/07/2017, em pelo menos um veículo utilizado para a prática de direção, os equipamentos necessários e capazes de permitir a anotação, transmissão e recepção dos relatórios de avaliação elaborados pelos instrutores, relativos às aulas práticas de direção veicular”.
A reunião foi coordenada pelo presidente do Sindicato das Empresas de CFC da Paraíba, Claudionor Fernandes, e contou com a participação do chefe da Divisão de Processamento de Dados (DPD), João Eduardo, e do presidente da Comissão de Credenciamento, Auditoria e Fiscalização dos CFCs (CCRAF), Genival Júnior, ambos do Detran da Paraíba.

Vereador pessoense Pedro Coutinho morre após infarto, na Capital.

O vereador de João Pessoa Pedro Coutinho (PHS) sofreu um infarto, nesta tarde na Vila Olímpica, em João Pessoa. Aos 59 anos, ele não resistiu e faleceu na tarde desta sexta-feira (19). O vereador iria participar de um campeonato de futebol de aposentados da Caixa Econômica Federal. De acordo com informações de pessoas que assistiam à partida, ele estava parado, no campo, quando sofreu um mal súbito. 
O  Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ainda foi acionado e ao chegar ao local tentou reanimá-lo, mas não conseguiu. Pessoas que presenciaram o vereador passar mal e cair no campo, afirmaram que ele morreu no local. Vários amigos de Pedro Coutinho ficaram chocados com a morte do vereador, entre eles o prefeito Luciano Cartaxo, o vice-prefeito Manoel Júnior, vereadores, atletas, além da família. 
O corpo do vereador foi levado para o hospital Padre Zé. De lá, segue para o Serviço de Verificação de Óbito, onde é confirmada a causa da morte. A família informou que o corpo do vereador será velado na Central de Velórios 'Morada da Paz', no bairro de Jaguaribe. Pedro Coutinho foi o 13º vereador mais votado nas últimas eleições para a Câmara Municipal e estava em seu sétimo mandato como vereador.
No dia 3 deste mês, o parlamentar perdeu sua mãe, Maria Salomé de Araújo Coutinho. Pedro Alberto Coutinho era funcionário aposentado da Caixa Econômica Federal e foi secretário de Ação Social, Chefe de Gabinete do Prefeito de João Pessoa, secretário-chefe da Casa Civil e superintendente do Instituto de Previdência Municipal (IPM).
Com a morte de Coutinho, o suplente Professor Gabriel irá assumir a titularidade na CMJP.

'Vou sair dessa crise mais rápido do que se pensa', diz Temer à Camarotti

Resultado de imagem para temer não renunciarei
Em conversa com o jornalista Gerson Camarotti, da GloboNews e do portal G1, na noite desta quinta-feira (18), depois da divulgação pelo Supremo Tribunal Federal do trecho da gravação que mostra um diálogo entre o presidente e o empresário Joesley Batista, Michel Temer disse que sairá dessa crise 'mais rápido do que se pensa'. Veja os principais pontos:
 > "Não estou comprando o silêncio de ninguém, isso não é verdade. Os áudios comprovam isso."
> "Essa é a tese que alicerça esse inquérito, de que eu avalizei a compra do silêncio do Eduardo Cunha. O que alicerça esse inquérito é que ele [Joesley Batista] teria dito que eu teria concordado com a compra do silêncio, o que não existe."
> "O que ele [Joesley] disse e que eu concordei é que ele estava se dando bem com Eduardo Cunha, por isso falei 'mantenha isso."
> "Fiquei profundamente agastado com o episódio. Isso é uma irresponsabilidade. Não se pode tratar o país desse jeito. A Bolsa desabou!"
> "Ninguém chega aqui para me pedir renúncia. Pelo contrário, todos estão pedindo para eu resistir. Vou resistir. Se precisar, vou fazer outro pronunciamento amanhã. Vou sair dessa crise mais rápido do que se pensa."
 > "A montanha pariu um rato."

quinta-feira, 18 de maio de 2017

PF apreendeu R$ 2 milhões na ação que teve como alvo o senador Aécio Neves

A Polícia Federal apreendeu R$ 2 milhões nas buscas da Operação Patmos, desencadeada hoje (18). A ação teve entre os alvos os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Zezé Perrella (PMDB-MG), além do deputado Rocha Loures (PMDB-PR) e pessoas a eles ligadas.
Autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a operação cumpriu 49 mandados judiciais, sendo 41 de busca e apreensão e oito de prisão preventiva, entre eles o da irmã de Aécio, Andréa Neves que encontra-se presa numa penitenciária em Belo Horizonte (MG), com o objetivo de coletar provas de crimes de corrupção e contra a administração pública. Os ilícitos em apuração foram denunciados pelo empresário Joesley Batista, da JBS, e outros dirigentes do grupo.
As buscas ocorrem na residência de investigados, em seus endereços funcionais, em escritórios de advocacia e órgãos públicos. O objetivo das medidas é coletar provas de corrupção e crimes contra a administração pública, entre outros crimes, nas investigações que tramitam no STF. (AE)

Cássio diz que "não há o que fazer" e bancada do PSDB defende saída de Aécio Neves do comando do partido

Resultado de imagem para senador cássio
Senadores e deputados do PSDB se reuniram ainda na noite dessa quarta-feira (18) em Brasília, logo após o vazamento da delação premiada de executivos da empresa JBS, que atinge o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB). Durante o encontro, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), vice-presidente do Senado, teria afirmado que o impacto da delação deixa a base sem saída: “Não há o que fazer, sigamos a constituição”, pontuou.
Já o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (PSDB-RS) avaliou como negativo o impacto da delação dos donos da JBS, mas afirmou que o partido não pode ser prejudicado por irregularidades cometidas por um filiado, mesmo que ele seja o presidente da legenda. “Sempre é uma coisa negativa, um fato que preocupa, nos traz surpresa e espanto. Mas, o partido é maior que qualquer um dos seus filiados. Portanto, não podemos culpar o partido por um ato de qualquer filiado. O partido vai continuar na sua caminhada, no seu trabalho, seguindo a linha do programa que está estabelecido”, frisou.
A bancada do PSDB na Câmara trabalha o nome do deputado Carlos Sampaio (SP) como solução emergencial para assumir interinamente a presidência do partido. O consenso na legenda é de que a saída do senador Aécio Neves (MG) do comando do PSDB precisa acontecer ainda na manhã desta quinta-feira (18). "O pior para o partido é a prisão de Aécio pelo STF. A notícia será: Supremo prende presidente do PSDB. Ele não pode mais ficar no comando do partido", resumiu um cacique tucano. O nome de Carlos Sampaio surge por exclusão, já que outros dois vice-presidentes da legenda estão nas delações da Odebrecht: os ministros Bruno Araújo (Cidades) e Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores).

Cunha havia dito que 'se a JBS delatar, será o fim da República' e que as delações da Odebrecht seriam "pequenas causas".

Resultado de imagem para eduardo cunha preso
O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) se mostrou "apreensivo" esta semana com a possibilidade de vazamento do teor das delações dos executivos do Grupo JBS. Em conversa com interlocutores, ele afirmou que "se a JBS delatar, será o fim da República". Segundo O Globo, a JBS pagou R$ 5 milhões pelo silêncio de Cunha - para que ele não faça delação premiada.
O jornal informou que Joesley Batista, da JBS, gravou conversa com o presidente Michel Temer na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu. Nessa reunião, que durou cerca de quarenta minutos, Temer teria incentivado o empresário a continuar pagando mesada milionária ao ex-presidente da Câmara - em troca do silêncio de Eduardo Cunha. Condenado a 15 anos e quatro meses de prisão na Operação Lava Jato, o peemedebista está recolhido no Complexo Médico Penal de Pinhais, nos arredores de Curitiba, desde outubro de 2016, por ordem do juiz federal Sérgio Moro.
Cunha também comentou a interlocutores que as delações da empreiteira Odebrecht seriam "pequenas causas" se comparadas ao teor das revelações dos controladores do Grupo JBS. O ex-parlamentar não comentou se estaria envolvido em esquemas de corrupção com os novos delatores.
A Justiça autorizou saída do Brasil dos irmãos Joesley e Wesley, donos da JBS, devido ameaça de morte que esses relataram ter sofrido. Eles não foram presos nem usam tornozeleiras eletrônicas, mas vão pagar R$ 300 milhões em multas.

Agenda de Temer pra hoje tem Maranhão, Wilson Filho e o pai Wilson Santiago, em audiências individuais

A agenda do presidente Michel Temer, para esta quinta-feira (18), está marcada por audiências individuais que começam já às 8h ao receber o senador Sérgio Petecão, coordenasor da bancada federal do Acre, e mais 17 senadores e deputados. a começar pelo às 9h.
Com intervalos de 30 minutos, Temer receberá às 9h o senador tucano Flexa Ribeira (PA), seguido do senador José Maranhão (PMDB-PB), senador Benedito de Lira (AL), líder do PP no Senado, além de Paulo Bauer (SC), líder do PSDB no Senado,e Davi Alcolumbre (DEM-AP), vice-líder do Governo e líder da Bancada do Amapá. A partir domeio-dia, também em intervalos de meia hora, Michel Temer receberá os deputados Simão Sessim (PP-RJ), Wilson Filho (PTB/PB), vice-líder do PTB, e Wilson Santiago, presidente do PTB na Paraíba, além do eputado estadual Geraldo Pudim, da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro
A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) será recebida às 14h30, seguida dos colegas Fábio Faria (PSD-RN), Danilo Forte (PSB-CE) e Toninho Pinheiro (PP-MG). O dia de audiências de Temer a parlamentares será concluído em reuniões com o senador Ciro Nogueira (PP-PI) e, depois, individualmente, os deputados Bruna Furlan (PSDB-SP), Alex Canziani Silveira (PTB-PR), Esperidião Amin (PP-SC) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), acompanhado do Pastor Silas Malafaia, última audiência, prevista para acabar às 20h.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

À Temer só resta a renúncia: Presidente negociou propina de R$ 50 milhões como espécie de "plano de previdência" pra ele mesmo

Resultado de imagem para temer só resta a renúncia
Diante da bombástica delação dos donos da JBS, divulgada esta noite pelo Jornal O Globo, só resta agora ao presidente Michel Temer (PMDB) a renúncia. Segundo o site O Antagonista, Joesley Batista também entregou à PGR a gravação de uma conversa em que combina com Michel Temer o pagamento de R$ 50 milhões em propinas. 
O montante seria pago "a longo prazo", como uma espécie de "plano de previdência" do presidente. O encontro ocorreu no subsolo do Palácio do Planalto, com senha para entrada, às 22h30, do dia 7 de abril. Cerca de 3 milhōes de reais de propina distribuídos em abril, segundo O Globo, foram carimbados pela Lava Jato. Os números de série das notas estão devidamente identificados. Além disso, as malas e mochilas tinham chips para que se rastreasse o caminho do dinheiro.
O Antagonista apurou que a delação premiada do grupo JBS atinge nada menos que 1890 políticos, do presidente da República ao vereador. São histórias sórdidas de todo sistema corrupto que arruinou o Brasil. O Antagonista soube que os delatores contaram à PGR que a propina da JBS para Michel Temer também era recolhida pelo coronel João Baptista Lima Filho, que aparece como dono de uma fazenda em Duartina (SP). Como relação ao PT, Joesley relatou à PGR que Guido Mantega repassava a propina que lhe era paga a parlamentares petistas e aliados.
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Claudio Lamachia disse nesta quarta-feira, 17, que "são estarrecedores" os fatos noticiados por O Globo sobre uma suposta trama de obstrução de Justiça atribuída a Michel Temer, no caso pagamento para manter silêncio de Eduardo Cunha. "A sociedade precisa de respostas e esclarecimentos imediatos", declarou Lamachia. "As cidadãs e cidadãos brasileiros não suportam mais conviver com dúvidas a respeito de seus representantes."

Bomba: Donos da JBS gravam Temer e Aécio pedindo propina e num dos vídeos o presidente dando aval para pagar silêncio de Cunha

Os donos do frigorífico JBS, o maior do mundo, Joesley Batista e o seu irmão Wesley fecharam um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, segundo o jornal 'O Globo'. No acordo, os donos do maior frigorífico do mundo incluíram gravações de altas autoridades como o presidente Michel Temer, o presidente do PSDB, Aécio Neves (MG) e o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Michel Temer

A acusação mais grave consta contra o presidente Michel Temer. Segundo o jornal, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Depois, Rocha Loures foi filmado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. Temer ouviu de Joesley que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Diante da informação, Temer disse: "Tem que manter isso, viu?".

Aécio Neves

Aécio Neves foi gravado, segundo O Globo, pedindo R$ 2 milhões a Joesley. O montante foi entregue a um primo do tucano, o que também foi gravado pela Polícia Federal. A PF rastreou a grana até a conta de uma empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).

Eduardo Cunha

O dono da JBS, segundo o jornal O Globo, revelou em sua delação que também pagou R$ 5 milhões para Eduardo Cunha após o ex-deputado ser preso. O valor seria referente a um saldo de propina que o peemedebista tinha com ele. Disse ainda que devia R$ 20 milhões pela tramitação de lei sobre a desoneração tributária do setor de frango, revelou o jornal.

TCE emite alerta às prefeituras de Itaporanga, Santana de Mangueira, Aguiar, Curral Velho e Olho D'água sobre balancetes

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) emitiu, nesta quarta-feira (17), mais 57 alertas para unidades gestoras adotarem medidas corretivas em balancetes mensais. As advertências integram a nova sistemática adotada pela Corte para acompanhamento em tempo real da gestão pública. Foram endereçadas alertas a 54 Prefeituras, duas Câmaras Municipais e um ao Governo do Estado.
As propostas de alertas, nesta quarta-feira, foram levadas ao conhecimento e referendo do Pleno pelos conselheiros Arthur Cunha Lima, Fernando Catão e Marcos Costa; e, ainda, do conselheiro substituto Antonio Gomes Vieira Filho, relatores dos respectivos processos de acompanhamento de gestão destas unidades jurisdicionadas.
Os alertas de iniciativa do conselheiro Arthur Cunha Lima, foram endereçados às prefeituras de Santana de Mangueira, Itaporanga, Aguiar, Curral Velho, Cajazeirinhas, Olho D´Água e São Sebastião de lagoa de Roça. O conselheiro substituto Antônio Gomes emitiu alertas às Prefeituras de Água Branca, Areia, Imaculada, Pocinhos e Tavares.
O conselheiro Fernando Catão alertou às Prefeituras de 19 municípios. São elas: Amparo, São Bentinho, Ouro Velho, Montadas, Caraúbas, Monteiro, Boa Vista, Parari, Santo André, São Sebastião do Umbuzeiro, Massaranduba, Pitimbu, Matinhas, Barra de São Miguel, Coxilola, Congo, Barra de Santana, Serra Branca e São João do Tigre. E o conselheiro Marcos Costa, por sua vez, emitiu dois alertas ao Governo do Estado, ambos relativos à confecção de balancetes, e outros dois para as câmaras municipais de Pilões e Cacimba de Dentro – um alerta para cada.
Por fim, emitiu 21 alertas para as seguintes prefeituras: Riachão, Casserengue, Pilõeszinhos, Cuitegi, Logradouro, Alagoinha, Campina Grande, Serraria, Pilões, Lagoa de Dentro, Guarabira, Araçagi, Bananeiras, Alhandra, Riachão do Bacamarte, Cacimba de Dentro, Tacima, Belém, Gurinhém, Borborema e Araruna.

Prefeitos Allan Bastos (Pedra Banca), Jairo Halley (Serra Grande), Divaldo Dantas (Itaporanga) e Chaguinha de Edilson (Coremas) têm encontro com senador Lira

Por ocasião da “20ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios”, que acontece em Brasília até esta quinta-feira (18), o senador Raimundo Lira (PMDB) tem promovido encontros com diversos prefeitos da Paraíba. A movimentação tem sido intensa em seu gabinete, sempre em busca de mais recursos para seus municípios. O senador faz questão de conversar de forma individual com cada um dos gestores. 
Três prefeitos do Vale do Piancó estavam dentre os que foram recebidos, ontem (16), pelo senador, são eles: prefeita Chaguinha de Edilson (PSD), do município de Coremas que estava acompanhada do marido o ex-prefeito Edilson Pereira; Divaldo Dantas, de Itaporanga; Allan Bastos (PR), de Pedra Branca que estava acompanhado do pai o ex-prefeito Antônio Bastos; e Jairo Halley (PSDB), de Serra Grande. 
Os demais outros prefeitos recebidos por Lira, foram: Dr. Lúcio Flávio, de Itabaiana; Renato Mendes, de Alhandra; Eden Duarte, de Sumé; Fernando Naia, de Rio Tinto; Egberto Coutinho Madruga, de Mataraca; Silvana Marinho, de Santo André; Carmelita Ventura, de Livramento; Jurandi Pileque, de Taperoá; Deusinho, de Olivedos; Jefferson Roberto Nascimento, de São José dos Cordeiros; Dr. Jarques, de São Bento; Prefeito Nelinho, de Cacimba de Dentro, além de ex-prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e secretários de diversas cidades paraibanas.
“Ouvi os pleitos de cada um, de forma individual, dando atenção a todos e colocando nosso gabinete à disposição dos Municípios”, afirmou Raimundo Lira. De acordo com ele, as conversas com os prefeitos giram em torno de questões municipalistas, sobretudo em relação a aumento de repasses do Governo Federal aos Municípios.

Prefeito Diogo Rosas se encontra com o senador Cássio que lhe garante recursos através de emenda parlamentar para Nova Olinda

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé e terno
Em Brasília, onde participa da XX Marcha à Brasília promovida pela Confederação Nacional dos Prefeitos (CNM), o jovem prefeito de Nova Olinda, no Vale do Piancó, Diogo Rosas (PSDB) faz périplo pelos gabinetes ministeriais e dos parlamentares. Na manhã desta quarta-feira (17), ele se encontrou com o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), presidente em exercício do Senado Federal.
Na oportunidade, Diogo solicitou ao senador paraibano e este lhe garantiu alocação de verbas através de emenda parlamentar para serem investidas no município. O prefeito agradeceu ao senador e fez questão de registrar o feito de sua caminhada no Planalto Central.